Nossa História


Decorando Festa Infantil

Dicasfesta
Um pouco sobre nós: Em 1997 quando passávamos por uma pequena dificuldade financeira, nossa filha com dois anos, e a casa por terminar, minha esposa Márcia fez a opção de me ajudar na renda familiar, porém fazendo algo que não tomasse todo o seu tempo e que aliado a isso, lhe proporcionasse algum prazer em realizar. Foi então que recordando os dois aniversários anteriores de nossa filha onde ela mesma havia feito as decorações e inspirada por ter recebido vários elogios e incentivos para que começasse a ultrapassar os limites físicos de nossa casa, resolveu optar por esta atividade, e como você pode notar, ela não se arrependeu, pois já se vão alguns anos de trabalho e experiência.
Bom nesta altura do texto você já deve estar se perguntando aonde é que eu Ivair, marido, entro nesta História! Aí eu respondo que a meu ver e com muita modéstia, sou um óóóóótimo marido e o braço direito dela, fico aqui então esperando e torcendo para receber alguns elogios dela de vez em quando, pois a ajudo em tudo o que é necessário, principalmente na hora de carregar e descarregar, então acho que mereço mesmo.
Pois bem, chega de conversa mole e voltemos ao que realmente interessa.
Decidida a atividade, faltavam agora só mais algumas coisinhas básicas sem muita importância tais como: os clientes, a experiência e o material para trabalhar. Como diz o velho ditado, não vamos colocar a carroça na frente do burro, então é melhor começar devagar e na ordem certa. Obviamente todos nós sabemos que a experiência só se adquire com o tempo, mas a internet (coisa que não estava ainda ao meu alcance naquela época) veio para facilitar muito as coisas para quem está começando, só o que tínhamos na época como exemplo e informação, eram as festas que às vezes íamos e as lojas aqui da cidade (que não são muitas) que vendiam produtos do gênero.
Recordo-me de uma amiga que nos ajudou muito emprestando uma fita de vídeo que ensinava em detalhes como montar o arco de balões, porque até então não sabíamos monta-lo adequadamente, e aquele que fazíamos além de demorado não ficava com aparência de algo profissional.
Outro ponto que também deixava muito a desejar era a questão das peças feitas de isopor que no começo eram bem simples, mas que com o tempo, através do faz e refaz da Márcia, melhorou muito, "e como melhorou". Porem, por optar em trabalhar com a classe média e média baixa que hoje representa a maioria de nossas contratações, ela decidiu produzir peças de custo não muito elevado (comparado às peças esculpidas em isopor e compradas em lojas), e de fácil manutenção e reposição devido ao fato de às vezes algumas peças serem quebradas durante a festa, (sabe como é criança, se não por o dedinho não vale), e cobrar pela peça ou pelo conserto nem sempre é viável, pois alguns clientes reclamam, mas fazer o que, ou você cobra ou fica com o prejuízo.
O terceiro ponto que deixava a Márcia de cabelos em pé, eram as toalhas da mesa, quanta dor de cabeça e quanto prejuízo, pois eram feitas de papel crepom e obviamente como todos sabem, esse material molhou manchou, e não da para lavar, portanto a cada festa tinha que fazer tudo de novo, mas isto também mudou, hoje algumas são feitas de tnt (tecido não tecido) e tule e outras feitas de cetim.
A cada passo que se dá para melhorar a qualidade juntamente com uma boa divulgação, proporciona um aumento na vinda dos clientes e é aí que o valor que se cobra pelo trabalho também pode ser aumentado, aqui um detalhe importante: não adianta querer cobrar caro no começo, pois você precisa mostrar o seu trabalho para atrair clientes e a melhor divulgação que se pode fazer é a própria festa e quanto mais festa fizer, mais clientes virão, portanto para quem ainda não tem o nome feito, o que irá atrair o cliente é justamente o preço. 
Em quase todo o tempo que estivemos na atividade, fizemos à opção da permanência restrita a atividade da decoração em si, digo "em quase" porque logo no começo adquirimos duas piscinas de bolinha e mais outro brinquedo (que na época eram novidade), entretanto eles começaram a nos sobrecarregar de trabalho e desviar o foco da atividade principal, como não tínhamos a intenção de crescermos muito, pois o nosso desejo sempre foi manter este trabalho como uma segunda opção de renda assim como é ainda hoje, optamos então por vendê-los. 
Entretanto se sua intenção é viver deste trabalho, sugiro que não se restrinja a ele, pois o leque de opções que abrangem a área de festa é muito grande e você pode optar por várias delas ao mesmo tempo tais como: locação de som, brinquedos, palhaço, maquiador, produção de bolos e salgados, produção e venda de peças de isopor, velas artesanais, balões e outros como locação de mesas, cadeiras, toalhas, talheres e acessórios, enfim, é uma área realmente vasta e se bem explorada pode render um bom conforto para você e sua família, além de lhe propiciar momentos agradáveis, pois afinal quem entra nesse ramo com certeza o faz pelo prazer de querer proporcionar alegria as outras pessoas, e assim realizar-se profissionalmente.   
Dicasfesta
 Frequentemente estou publicando novos artigos, se desejar receber informações sobre estas publicações, cadastre seu e-mail, ou se inscreva em meu canal de vídeo.
Gostou?
Então me ajude a divulgar nas redes sociais das quais você participa.

2 comentários:

  1. OLa Evair, meu nome e Michely sou do estado do Pará, descobri seu blog qunado estava procurando sobre bases para arcos de balões, me identifiquei muito com o seu trabalho, iniciei a pouco tempo no rama da decoração, e assim como você faço todas as peças utilizadas na decoração.
    Parabéns pelo seu trabalho e Obrigada por dividir sua esperiencia.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Michely, obrigado pelo comentário e felicidades nesta nova atividade.

      Excluir